A haver um ponto de partida para o lugar onde Joana Sá se encontra neste momento, escreve a pianista e compositora em Um corpo como ouvinteele existirá no período entre 2002 e 2004 em que estudou com Jean Fassina, em Paris. Enquanto pedagogo, Fassina desenvolvera uma “pedagogia radical”, pedindo aos seus alunos que, durante três ou quatro meses, parassem de tocar repertório. Em vez de Bach ou Cage, Brahms ou Satie, deveriam “concentrar-se apenas na articulação, na escuta e na qualidade do som – escutando o ataque, escutando o lançamento, sentindo o impulso ‘eléctrico’ no dedo, controlando a tensão para ‘libertar’ o som, controlando todos os possíveis parâmetros na qualidade do som”. Num segundo momento, e superada a primeira tarefa, Fassina pediu à pianista que, durante sete meses, tocasse em exclusivo Kinderszenen (Cenas da Infância)um conjunto de 13 miniaturas de Schumann.

Os leitores são a força e a vida do jornal

O contributo do PÚBLICO para a vida democrática e cívica do país reside na força da relação que estabelece com os seus leitores.Para continuar a ler este artigo assine o PÚBLICO.Ligue – nos através do 808 200 095 ou envie-nos um email para assinaturas.online@publico.pt.

Fuente