Ao todo são cerca de 40 pessoas que estão com a vida suspensa. Até há pouco tempo, sabiam com o que contar. Agora, esperam para saber como vai ser o dia de amanhã. Na sequência da transferência de competências dos serviços de limpeza dos centros de saúde para as autarquias, dezenas de trabalhadores, algumas que desempenhavam o mesmo trabalho há mais de uma ou duas décadas, ficaram sem emprego em Penafiel e em Paredes. Trabalhavam para empresas externas que eram contratadas pelo Ministério da Saúde. Mas os contratos chegaram ao fim e os dois municípios optaram por internalizar este serviço. Só que as duas câmaras não vão integrar quem durante todos estes anos realizava este trabalho e que, por força da experiência acumulada, já conhece os cantos à casa. Haverá novas contratações. Em Penafiel, os trabalhadores avançaram para a Justiça. Em Paredes, há um protesto marcado para a próxima sexta-feira, frente ao edifício da câmara.

Fuente